Entrevista Verde

ENTREVISTA VERDE || COLD COFFEE GIRL

Uma Entrevista a uma Blogger Açoriana que gosta do tema Veganismo e Vegetarianismo.

Olá Nossos Devanienses ( E Querida Raquel Roque )!

 

Sobre Mim

 

A Raquel Roque é uma Açoriana e Blogger. Tem um Blog muito interessante que é o Cold Coffee Girl. A Raquel assumiu que gostou muito de responder às nossas questões. Bastante inocentes, sabemos. É um tema que estamos a aprofundar lentamente.

A Raquel gosta bastante do tema e por isso aceitou participar no nosso Projecto. Agradecemos de coração. Este Projecto está a ser cada vez mais emocionante. Além disso, está a ajudar-nos a aprender mais e mais sobre este tema tão interessante e importante.

Como diz Hernâni Carvalho ” A mentalidade é a última coisa a mudar.”. E aos poucos e poucos pode ser que as pessoas tornem os seus hábitos mais saudáveis. Não no sentido de se tornarem Vegans ou Vegetarianos, é uma decisão de cada, mas quem sabe acrescentar umas receitinhas deliciosas à alimentação. É um desafio muito difícil de se realizar?

 

 

Aqui estão as respostas da Raquel Roque e a minha favorita é a três.

1– Desde quando começou este teu interesse pelo Vegetarianismo e pelo Veganismo? Porquê?

Sou fã de comida e quando mais diferente melhor. No entanto, à cerca de uns dois anos para cá o interesse por comida vegetariana aumentou.

2 – Já alguma vez ponderaste tornar-te Vegetariana ou até mesmo Vegan? Porquê?

Sim. Penso que é um estilo de vida alternativo e que poderá trazer mais qualidade na nossa alimentação.

3 – Na tua opinião, porquê que uma parte da Sociedade considera uma modinha?

Muito culpa das redes sociais e de alguns “influencers”. Apesar de considerar este tipo de crescimento positivo, as pessoas não procuram comer comida vegetariana/vegan porque é boa, mas, sim, porque a pessoa A, B ou C foi aquele restaurante.

 

 

4 – Achas importante que a Sociedade tenha um pouco mais de noção sobre o tema, visto que uma grande parte só critica?

Sim. Há pouca noção do que realmente é a comida vegetariana e vegan. Por isso ouvimos comentários como “se virares vegetariano vais comer erva.” “Vais comer só alface”. Isso só mostra a pouca informação acerca desse tipo de alimentação e do quão rica poderá ser.

5- Alguma coisa mudou na tua vida desde este teu interesse?

Sim. Quando comia fora optava sempre por comer um prato de carne, agora já estou mais aberta para pedir e experimentar pratos diferentes.

6 – Mudou alguma coisa na tua alimentação e\ou no teu consumo em geral desde que te interessante pelo tema?

Sim. Pelo menos durante a semana como 2 ou 3 pratos vegetarianos e sinto-me bem em o fazer. E influenciei a minha família a o fazer também.

 

 

7 – Na tua opinião, faz algum sentido quando questionam o porquê de gostarmos de animais e mesmo assim comermos?

Não, acho que uma coisa não tem haver com a outra. Sou amante de animais e vivo numa zona em que a produção de gado é fundamental para a região. Se fossemos pensar assim não comiamos nada. Por exemplo, gosto de peixe, mas não o vou tirar do mar porque ele pertence à cadeia alimentar de outros animais. Ou não vou comer alface porque as larvas e caracoís das terras precisam da alface.

8 – A tua alimentação teve alguma alteração com o teu interesse no tema?

Sim. Procuro sempre fazer pratos novos e diferentes, por isso estou sempre a procurar receitas que me permitem explorar o mundo vegetariano e o vegan. E, até, consigo comer alimentos como a curgete, que antes era impensável gostar.

 

 

9 – Alguma vez fez-te confusão ires a um Talho ou a uma Peixaria?

Apesar de serem locais em que não gosto muito de ir, não me mete confusão lá ir.

10 – Achas que é um tema interessante para ser debatido? Porquê?

Sim. É um tema que muitas pessoas conhecem apenas de forma superficial e daí criam-se ideais e rotula-se muito quem tem interesse na área. Se esse tema chegasse de forma correta a mais pessoas acho que elas passavam a ver a alimentação vegan e vegetariana de outra forma.

 

 

Gosto bastante da terceira resposta, porque há muito o rótulo da “Blogger de Restaurante”. Não tem mal irem a um Restaurante comer algo saudável porque um Blogger, Youtuber ou Instagrammer foi lá. A parte negativa é que a maioria não associa a algo saudável e bom para ela própria, mas sim a quem indicou. Comeriam do mesmo modo se fosse um prato de carne ou peixe.

É uma “moda” boa. Coloco moda entre aspas, porque não é uma moda, mas associam a moda à nossa profissão (de Blogger).

O problema das Redes Sociais é que dão uma má imagem de quem tem uma alimentação mais saudável, porque não é aquela que nos habituaram desde pequenos ( Fico feliz pela minoria que não é quase impingindo em criança a comer carne, peixe e leite não materno). Depois vêm aquelas frases tão preconceituosa e matadora “Só pode ser coisa de Vegetariano. Não têm mais nada para fazer. Olha para mim a comer carne. Nem quero saber.”.

É tão errado, nas Redes Sociais, ser Vegan, Vegetariano e Professora de Português. Qualquer coisa é “Deve ser Professora de Português, só pode.”. É algo errado? Talvez em Portugal, seja. Um Professor para duas turmas só para pouparem dinheiro. As turmas pequenas são o segredo do sucesso…

 

 

Há quem seja reticente as mudanças, mesmo que essas sejam boas. “Se sempre escrevi assim, porquê evoluir?”. “Se sempre comi deste modo, porquê melhorar?”. É triste, mas é a realidade.

“Estás a dizer que somos os únicos animais que não precisamos de carne para me fazeres uma lavagem cerebral.”. A única lavagem que pode haver é intestinal. Um organismo mais saudável.

Demos tempo. Muito tempo. Bastante tempo. Porém, vou dar um exemplo que serve para tudo. Um homem foi analfabeto até aos sessenta e cinco anos, formou-se com oitenta e cinco porque quis!

Beijinhos

Entrevista Verde

ENTREVISTA VERDE || SARA CANHOTO

A Sara Canhoto vai dar o seu ponto de vista em relação à sua mudança de vida e espera ajudar alguém desse lado.

Olá Nossos Devanienses ( E Querida Sara Canhoto )!

 

Healthy Food & Me

Gostaria de agradecer à Sara Canhoto por aceitar participar no Projecto. Este Projecto é muito importante para nós. Esperemos que ajude a alguém desse lado.

A Sara é Vegan e isso tem ajudado muito no seu dia-a-dia. Vou citar a pequena discrição da Sara:

Olá, sou a Sara, tenho 24 anos e no verão de 2016 fui (finalmente!) diagnosticada com fibromialgia. Sou intolerante à lactose e possuo o Síndrome de Hipermobilidade Articular. Como a medicina tradicional não me conseguiu ajudar a suportar todos os sintomas da fibromialgia, recorri à Medicina Quântica associada a uma dieta cuidada.

 

 

Retirando o glúten, açúcar e carne (vaca, porco, frango, etc.) e com os devidos suplementos (para a parte muscular) comecei a ganhar qualidade de vida. Comecei a voltar a sentir energia, mas ainda não estava “perfeito”.

Sendo bióloga, sempre me preocupei com o sofrimento animal e consequências ambientais da indústria animal. Comecei por retirar iogurtes e o queijo, mas ainda não me sentia “descansada”. Foi então que retirei qualquer tipo de carne, baseando-me apenas em vegetais, leguminosas, frutas e ovos biológicos dos meus avós.

Em Agosto de 2017 decidi optar por uma alimentação vegetariana restrita e por me tornar vegan 🙂 

Sou ainda nova nestas andanças, mas gosto de ir experimentando e fotografando para mostrar que, não, os vegetarianos e veganos não passam fome e muito menos comem só salada!

 

6dadf9e0-2595-44eb-815e-1ced8b72c1ca

 

Vamos passar para a nossa bela Entrevista!

 

  • Há quanto tempo és Vegan?

 

Fez este mês um ano!

 

  • Começaste por ser Vegan ou Vegetariana? Se foste Vegetariana, durante quanto tempo o foste?

 

Comecei por ser vegetariana, fui apenas vegetariana durante uns 8 meses até que decidi que não era suficiente e tornei-me vegan.

 

  • Como começou esta tua nova jornada neste Mundo Vegan?

 

Começou pelo facto de ter uma doença auto imune que me provoca constantes dores e inflamação. Aconselharam-me a tirar lácteos, carne, soja e glúten. Ao retirar a carne apercebi-me o quão fácil era e pesquisando documentários e afins sobre a indústria e exploração animal, decidi que devia retirar totalmente qualquer produto de origem animal. Primeiro a alimentação e depois os produtos de cosmética e afins.

 

  • O que mudou na tua vida?

 

Tudo. Para além de ser mais saudável e mais enérgica, sou mais feliz, leve, consciente e sei que faço o melhor pelos animais, ambiente e para mim. Ganhamos uma nova visão do mundo que nos rodeia, deixamos de ver um bife e vemos um animal que sofreu e morreu para que se possa comer algo que não se necessita. Ganhamos compaixão e força para lutar pelo o que acreditamos. Começamos a pensar no que realmente importa e merece atenção.

 

5e569ea8-0e8c-4ad9-b682-6ffa67317031

 

  • Qual foi a tua maior dificuldade no início?

 

Ao contrário do que se pensa, não é difícil deixar de se comer certas coisas. O mais difícil é aprenderes que combinações de sabores gostas, as texturas e afins, mas assim que experimentares e perceberes como cozinhar, como misturar e como temperar, é fácil e rápido.

 

  • Qual é a tua maior dificuldade atualmente?

 

Que as pessoas nos levem a sério. Falar que X faz mal ao nosso organismo por causa disto e disto e responderem-nos, “mas sabe tão bem!”. Zonas como a restauração não estar minimamente informada tira-me do sério. Não me refiro a saberem cozinhar tofu ou seitan ou algo do género, refiro-me a sugerirem a um vegetariano comer camarão ou atum. É ridículo.

 

  • Qual é tua comida Vegan favorita?

 

Gosto de tudo o que cozinho. Mas posso dizer que adoro veganizar refeições que são originalmente com animais ou derivados. Como a bolonhesa, a pizza, hambúrguer, bacalhau à Brás, etc.

 

 

 

  • Tens alguma Nutricionista a acompanhar-te?

 

Tenho uma naturopata a acompanhar, não por eu ser vegan mas por causa da doença, óbvio que indiretamente ela me ajudou no início da transição, mas pesquiso muito e tenho vários livros que ajudem quem não percebo do assunto (é só no início, prometo!).

 

  • Tens algum Dia do Pecado, ou seja, um dia com carne, nem que seja uma ver por ano?

 

Esta pergunta só faz sentido a uma pessoa que esteja a fazer uma dieta para perder peso, ganhar músculo, etc. Tal como disse, uma pessoa torna-se vegetariana pois não quer que animais morram e sofram por algo que essa mesma pessoa não necessita. Ora não faz sentido sequer se pensar que essa pessoa queira voltar a tocar em carne. O dia do pecado não seria para essa pessoa, mas sim para a vítima que estaria no prato. Não é por ser “apenas” uma vez por ano que deixa de ser algo horrível de se fazer, basta trocar o papel de uma vaca por um humano e digam-me se eu espancar, violar e retirar o filho a uma mulher, uma vez por ano, se é menos grave…

 

 

 

  • Que conselho dás a quem quer ser Vegan?

 

Primeiro que tudo, pensar bem nas motivações, informar-se muito bem. Existem imensos documentários fantásticos que explicam tudo (What the Health, Cowspiracy, Before the Flood, etc). Não aconselho a que se retirem os alimentos todos de uma vez. O corpo precisa de adaptação. Eu, por exemplo, retirei primeiro a carne e os lácteos, depois peixe e mariscos e só depois os ovos.

Outra coisa muito importante de destacar é que ao ser-se vegan, está a seguir-se uma filosofia de vida de amor, compaixão e proteção para com os animais, ou seja, nós não queremos usar pele, lã, seda e produtos testados em animais (tudo o que é vendido na China é testado). Mas ninguém nasce ensinado! Se, por alguma razão, se enganarem e comprarem um champô que depois descobrem que testa em animais, não se desmoralizem. Para a próxima já sabem! Ninguém é 100 % vegan, senão não usaríamos carros, telemóveis, televisões e por aí fora. Fazemos o melhor que podemos, e isso, já faz toda a diferença!

 

 

Não a conheço pessoalmente, mas posso dizer que a Sara é uma pessoa demasiado linda e aprofundei mais o tema. Questionei que se não fosse a maldita doença, mais cedo ou mais tarde, a sua alimentação teria o mesmo rumo. Não passa duma suposição claro. No caso dela ajudou na decisão.

“Eu sempre admirei e quis ser, mas na altura ainda vivia com os Pais, o que daria mais trabalho para eles. Como isto começou tudo devido à doença foi mais fácil toda a gente aceitar e agora eles só comem mesmo peixe.”

Ela conseguiu mudar a vida dela e de mais duas pessoas. MARAVILHOSO! Como uma doença pode ter algo de positivo se nós quisermos.

 

 

Tem aqui um post que achei muito interessante. Sobre Ser Vegan e ir a um casamento sem problema. As pessoas fazem um bicho de sete cabeças, complicam, chamam de errado…

OBRIGADA, SARA!

Beijinhos

 

 

Entrevista Verde

ENTREVISTA VERDE || MAFALDA LAGE BORRALHO

Olá Nossos Devanienses ( E Mafalda Lage Borralho )!

Foto de Mafalda Lage Borralho.

 

A Mafalda Lage Borralho é uma Blogger com um Trabalho diferente dos quais estamos habituados. É mais técnico. Mais… não é um Blog do qual estejamos habituados. Útil como os outros, duma maneira ou de outra.

A querida Mafalda Lage Borralho aceitou gentilmente responder às nossas perguntas. Uma Simpatizante do Veganismo e do Vegetarianismo. Gosta do tema. Obrigada.

 

 

 

1 – Desde quando começou este teu interesse pelo Vegetarianismo e pelo Veganismo? Porquê?  Sempre tive curiosidade, não sei disser quando começou.

2 – Já alguma vez ponderaste tornar-te Vegetariana ou até mesmo Vegan? Porquê?

Já, mas comer soja ou tofu nunca me atraiu.

3 – Na tua opinião, porquê que uma parte da Sociedade considera uma modinha?

Deve ser porque alguns famosos aderiram a este tipo de comida e estilo de vida.

 

Foto de Mafalda Lage Borralho.

 

4 – Achas importante que a Sociedade tenha um pouco mais de noção sobre o tema, visto que uma grande parte só critica? Sim, devia existir mais informação.

5- Alguma coisa mudou na tua vida desde este teu interesse? Bem como mais vegetais, a verdade é que é mais saudável.

6 – Mudou alguma coisa na tua alimentação e\ou no teu consumo em geral desde que te interessante pelo tema?  Faço uma alimentação mais saudável.

7 – Na tua opinião, faz algum sentido quando questionam o porquê de gostarmos de animais e mesmo assim comermos? Não, a não ser se no menu estiver os domésticos.

 

Foto de Mafalda Lage Borralho.

 

8 – A tua alimentação teve alguma alteração com o teu interesse no tema?  Não muita.

9 – Alguma vez fez-te confusão ires a um Talho ou a uma Peixaria? Não

10 – Achas que é um tema interessante para ser debatido? Porquê? Sim, deviam esclarecer o que é ser Vegetariana ou Vegan.

 

Nós também entrevistamos Bloggers que não são Vegan, nem Vegetarianas, mas que gostam do tema. Não é por acaso. É para mostrar que podemos gostar do tema. Desenvolvê-lo na nossa vida, sem deixar de parte a carne. Porém com consciência do que estamos a fazer.

Quando falamos de carne, também falamos de peixe. O peixe é conjunto. A carne do peixe é que se come. É, na Sexta-feira Santa não é para comer a carne do peixe. Podem, sem dúvida, serem semi-vegetarianos, ou seja, comerem a carne do peixe e não a outra carne. A saúde e a vossa felicidade agradecem.

Beijinhos

 

Entrevista Verde

ENTREVISTA VERDE || SANDRA MATIAS

Olá Nossos Devanienses ( E Sandra Matias )!

 

Foto de Sandra Matias.

 

Obrigada a todos pelo sucesso que está a ser este Projecto. Se abrimos uma mente com estas entrevistas, ficamos muito felizes. Hoje temos a Sandra Matias. Blogger, Maquilhadora e uma adoradora dos temas de Veganismo e Vegetarianismo.  O Trabalho de Sandra Matias está duma certa forma direccionada a estes temas. Digamos que o seu trabalho é consciencioso.

Todos os trabalhos realizados pela Sandra Matias são maravilhosos. Agradecemos de coração o facto da Sandra Matias ter aceite participar no nosso Projecto.

 

Foto de Sandra Matias.

 

1 – Desde quando começou este teu interesse pelo Vegetarianismo e pelo Veganismo?

Porquê?

R: Começou há 8 ano atrás, embora não seja vegetariana ou vegan, tento manter o equilíbrio na minha alimentação, porque uma alimentação saudável incluindo pratos vegetarianos faz toda a diferencia num organismo humano. Embora na cosmética que é uma área que adoro, procuro sempre produtos vegan e de preferência cruelty free.

2 – Já alguma vez ponderaste tornar-te Vegetariana ou até mesmo Vegan? Porquê?

R: Nunca pensei, embora tenho uma familiar muito próxima que é vegan, não come nada de origem animal, nós necessitamos de todos os nutrientes, vitaminas, ferro etc que tanto a carne como o peixe nos proporcionam ao organismo para mantermos o equilíbrio.

3 – Na tua opinião, porquê que uma parte da Sociedade considera uma modinha?

R: 50% acha moda ser vegetariana ou vegan, não comer nada de origem animal, devido ao protegermos muitos os animais, sim de facto tornou-se moda, mas infelizmente, para ser vegetariana ou vegan que são duas coisas totalmente diferentes uma da outra necessita-se de um controle da parte de um profissional de vido a vitaminas que não colocam no organismo que tanto a carne como o peixe ou algo de origem animal nos dão, e sem esse controle um dia o nosso organismo pode entrar em falência dessas propriedades importantes e ter que fazer um tratamento intensivo.

4 – Achas importante que a Sociedade tenha um pouco mais de noção sobre o tema, visto que uma grande parte só critica?

R: Sim devia, temos de ver os dois lados, pois ser vegetariano ou vegan não é o mesmo que fazer uma dieta, é uma escolha que a própria pessoa faz, se não quer comer nada de origem animal é uma escolha que a pessoa faz. Acho que a nossa sociedade ainda está com pouco conhecimento na área e tem muita falta informação.

Por exemplo na beleza, há uma grande procura de produtos vegan e cruelty free, a palavra cruelty free está a tornar-se muito popular e acho bem, pois não sou apologista de teste em animais, eu própria na área de beleza procuro produtos vegan e cruelty free.

 

Foto de Sandra Matias.

5- Alguma coisa mudou na tua vida desde este teu interesse?

R: Eu já tinha conhecimento necessário para distinguir e não julgar, mas com o passar dos anos na área de beleza tenho adquirido muitos conhecimentos e sim mudou, em vez de colocar cosmética rica em químicos na minha pele coloco cosmética natural na minha pele.

6 – Mudou alguma coisa na tua alimentação e\ou no teu consumo em geral desde que te interessante pelo tema?

R: Sendo eu carnívora como se pode chamar, pelo menos duas vezes por semana como pratos vegetarianos, e se ter que fazer companhia à minha familiar directa a comer um bom prato vegan eu como, mas claro tenho sempre em atenção ás necessidades do meu organismo.

7 – Na tua opinião, faz algum sentido quando questionam o porquê de gostarmos de animais e mesmo assim comermos?

R: Não faz sentido algum, pois nós nascemos herbívoros e carnívoros, quando me questionam sobre tal eu explico tudo o que mencionei acima, o meu organismo necessita e não me quero ver a tomar suplementos ou vitaminas para substituir as propriedades da carne ou as propriedades do peixe, nem me quero ver um dia entrar em falência devido à falta das mesmas.

Acho uma pergunta desnecessária, quando nos perguntam isso.

 

Foto de Sandra Matias.

 

8 – A tua alimentação teve alguma alteração com o teu interesse no tema?

R: Mantém-se a mesma, como referi nas respostas acima.

9 – Alguma vez fez-te confusão ires a um Talho ou a uma Peixaria?

R: Ir não me faz confusão, faz me sim confusão ver uma galinha a ser morta ou um porco a ser morto, eu não consigo ver, nem consigo fazer tal. O que me faz muita aflição no talho é ver coelhos mortos, não sei se é por se assemelharem aos gatitos e coelho é uma carne que não como devido a isso.

10 – Achas que é um tema interessante para ser debatido? Porquê?

R: Sim acho, porque todas as pessoas devem saber sempre mais sobre o assunto vegetariano ou vegan, saber os prós e contras, e claro antes de se tornar procurar sempre um profissional de saúde.

 

Foto de Sandra Matias.

 

Uma entrevista maravilhosa. Foi um gosto, mesmo. Reforçamos que não queremos fazer nenhuma lavagem cerebral a ninguém. Como vêm, podem gostar do tema e não abdicarem da vossa chichinha. Serem, somente, mais conscienciosos.

Eu fiz a pergunta do Talho e da Peixaria, porque a mim faz-me confusão. E partiho com a Sandra Matias que os coelhos parecem gatinhos. Eu sou um bichinho da Cidade e ver animais a ser mortos, não gosto. Gosto de coisas estranhas como ver a espremer espinhas e pontos negros, mas animais não.

Quando era pequena, tinha uns oito anos, e obrigaram-me a pegar nas pernas duma galinha para a matarem. Agarrei contrariada. Olhos fechados. Cara para o lado. Resultado: A galinha saltou do funil. A pessoa ficou chateada, a galinha ficou mais uns minutos feliz.

Beijinhos