Texto Pessoal

Texto Pessoal || A Pele Com A Carne

Olá Nossos Devanienses!

Parece que alguém voltou a escrever um texto. Espero que gostem.

O Verão não aparece aqui. O Agosto já passou por ti? Nem por mim. O Sol não se despede com antes. O som madrugou para te acordar. Sente que tudo te queima por dentro. As ondas da tua voz não me encantam, mas eu mergulho nela. Não vamos nadar juntos. As tuas mãos nunca serão o meu Sol.

Deixa tudo arder. O Mar apaga tudo. Não mergulhes. É a minha vez. Não fiques parado. A madrugada não é eterna. Tu marcas o nada.

Tu vais cair? Talvez sozinho. Bebi do teu sangue. Lado a lado. Jovens sem fim. As tuas promessas já nem são contáveis.

Não insistas. Esquece tudo. Estás perdido no teu Destino que pensas que é nosso. Fazes-me rir. Sai dessa escuridão do teu caminho.

Se é uma despedida? Não penses tão alto. Nós só somos um Mundo já vivido. Apenas eu não fico à espera. O relógio não pára. Nada vais sentir. Vou beber mais um pouco do teu sangue. Os passos desta vida não acabam hoje.

Pelo menos, para mim. Tu e eu. Não, isso não existe. Um ciclo sem sentidos.

Eu nunca quis. Eu nunca fiz. Eu nunca vi. É assim que tem de ser. Não fiques nervoso só porque o mapa se tornou outro. Tu não sabes quem eu sou e para onde vou. Mesmo assim, foste tu quem me chamou.

O sentido oposto. Encontrarei um vício novo. Vai durar pouco como tu. Arranja uns trocos para esses bolsos. Faz o esboço. Talvez eu vá. Talvez tu fiques.

Não te deve importar para onde eu vou. Eu já vou e tu não.

 

Beijinhos