Expectativa

EXPECTATIVA DO LIVRO || UMA VIDA DE CÃO

Olá Nossos Devanienses!

 

John grogan Compra, venda e troca de anúncios - encontre o melhor ...

 

Não, não sou grande apreciadora de cães. Prefiro gatos. São independentes, é o ponto. Mas gosto da escrita de John Grogan que conheci com o seu primeiro livro, Marley e eu. Espero não chorar neste livro também. Não há necessidade e eu não choro.

Só houve uma cadela que me marcou, chamava-se Daisy e era uma Boxer. De resto, faço festinhas ao início e tal, mas não me chamam à atenção, nem há nenhuma lei que me obrigue a tal. “Tens de adorar cães, caso contrário, pagas uma multa de quinhentos euros.”. Quinhentos euros faz falta no meu orçamento, logo teria de adora-los.

Porém, não gosto que os tratem mal, nem os comam. São coisas diferentes. Mas nunca serão gatos. E os gatos não denunciam onde estão as nossas drogas. É só uma piada. Não, são demasiado dependentes. Também houve outro cão que me marcou, porque era lindo, grande e eu tinha medo dele. Chamava-se Laio. Quando ele morreu, já idoso, fiquei triste, porque não lhe dei uma oportunidade por causa do meu medo. Era laranja e branco, eu acho. Tinha mais de dez anos. Muito mais. Talvez fosse um amor de cão se eu lhe tivesse dado uma oportunidade.

 

Cães atores – Onde estão agora?

 

Também não gosto desta imagem.

A sinopse é a seguinte:

Uma Vida de Cão é uma colecção inesquecível de mais de setenta e cinco histórias escritas por John Grogan, autor do bestseller internacional Marley & Eu. As histórias foram inicialmente publicadas no jornal Philadelphia Inquirer, onde Grogan assinava uma coluna, e agora reunidas neste livro.
Combinando humor, inteligência e afecto, estas histórias permitem-nos compreender o mundo simultaneamente complicado e maravilhoso que vivemos. Quer escreva sobre animais (cães, gatos ou elefantes!), faça comentários intensos e comoventes sobre a sua família e outras, conte histórias mordazes sobre as fraquezas e as farsas da vida ou sobre as suas interacções com pessoas memoráveis e, de certa forma, invulgares, John Grogan faz-nos pensar, rir e, até, chorar.

Parece ser um livro interessante. Só peço uma coisa: Não me faça chorar, pois eu não choro. E algo interessante como o primeiro livro.

Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *