Resenha

RESENHA DO LIVRO || TÁXI – AMANHECE NA CIDADE

Olá Nossos Devanienses!

 

Filipa Fonseca Silva: “É muito difícil ser escritora em Portugal ...

 

Li num único dia. ADOREI! Li no dia catorze de Maio. Todos os livros da Filipa são pequeno, leves e fácéis de ler. São apenas cento e setenta e duas páginas.

Adorei algumas frases, tais como:

O bater do coração nunca mente.

Não podia sentir vergonha do trabalho que tinha porque não deixava que ele a definisse.

Sabia que sair dali só dependia dela própria e que na prática estaria apenas a trocar de patrão. ( Casar-se com alguém e deixar de ser Stripper.)

As crianças aprendem tudo com os Pais e com os adultos que as rodeiam.

Antes de salvar o Mundo, tenho de me salvar a mim própria.

Há três tipos de pessoas no que toca a vocação ou ambição profissional: as que têm vários interesses, nenhum deles praticamente arrebatadoresm, mas conseguem adaptar-se a vários empregos e funções sem pensar muito no assunto ( Esta pessoa sou eu); as que não têminteresses nenhum e que simplesmente fazem o que lhes dizem, o que conseguem, o que é para fazerem, ambicionando pouco mais do que um ordenado ao fim do mês (É o que não falta, infelizmente); e as que só têm uma paixão na vida, tão grande e tão forte, que não conseguem sequer imaginar fazer outra coisa, o que na maioria das vezes apenas lhes traz frustração, dissabores e precariedade.

 

Filipa Fonseca Silva: “É muito difícil ser escritora em Portugal ...

 

A tal ideia que a maioria dos humanos têm enraizada de que a sua vida é o centro do Mundo.

Pessoas cheias de vícios, cheias de falhas, cheias de sonhos e de certezas, desconectadas da evidência de que são apenas uma micropartícula nos desígnios do Universo e que este não vai girar à sua volta para servir as suas esperanças e ambições, ignorando que quem tem de servir as suas esperanças e ambições são elas próprias. 

Aprendi algumas palavras novas como:

Passajar – coser

Tágides – Ninfas do Tejo

Malogrado – Que teve um fim prematuro

Relegar –  Banir

 

Filipa Fonseca Silva: “É muito difícil ser escritora em Portugal ...

 

Misógino – Desprezo de mulheres

Hercúlea – Que exige muito esforço

Aventesma – Fantasma

Lépida – Alegre

Achaque – Mal-estar sem gravidade

Imbuído – Fixar

Não sabia que a querida Filipa sabia quais eram os tipos de Prostitutas. Achei muita piada.

A Filipa escreve uma frase muito típica em Portugal, visto que a maioria prefere absorver tudo da televisão e nada dos livros que é Tu larga-me os livros que isso não serve para nada. Claro que não, serve para escrever bem, sem desculpas. Sendo esta uma das utilidades. E também afirma uma grande verdade de Portugal: Têm amnésia colectiva.

Achei o protagonista muito machista e antiquado. E não achei que se tratasse duma cidade, pois havia muitas necessidade de aldeia.

Aconselho mesmo muito, pois a Filipa é uma Escritora incrível.

Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *