Projecto Literário

PROJECTO LITERÁRIO || MARATONA DE SEIS HORAS

Olá Nossos Devanienses!

 

Os marginais. - à venda - Livros, Lisboa - CustoJusto.pt

 

Como vocês sabem, adorei fazer a minha primeira Maratona Literária, inclusive, partilhei com vocês. A primeira foi de doze horas, porém, tinha plena noção que não iria conseguir repetir a proesa, por isso, reduzi para seis.

Mesmo assim, cometi um erro. Escolhi o Sábado do vinte e cinco de Abril para este trabalho. Segundo as informações do Facebook ( todos sabemos que toda a verdade está lá) as cantorias seriam ao meio-dia. Então, escolhi o horário das treze às dezanove para ser incomodada. Que ingénua.

Mudaram para as quinze. Comecei a trabalhar mesmo assim. Pouco antes, alguém se lembrou de colocar música pimba em altos berros, pois deve achar que há uma lei que obriga a termos todos os mesmos gostos. Fechei a janelas, mas ouvia-se na mesma. Tentei abstrair-me. A pessoa deveria achar que estava a fazer um grande feito. Depois, às quinze horas, começou a cantar alto e de forma desafinada a música do vinte e cinco de Abril. Só vejo um de dois motivos ou até a junção dos dois:

-Não tem a noção que canta mal,

-Tem a necessidade de incomodar.

Se queria cumprir o feito por não estar a trabalhar, usava a voz de Zeca Afonso. Tem no Youtube e não seria maçador. Seria só uma questão de respeito. Todos sabemos que os feriados e os Domingos são dias como outros quaisquer. Desabafo à parte.

 

Livros de arquitetura: 16 obras para estudantes e profissionais

 

Fiz uma escolha maravilhosa. Os Marginais de S. E. Hinton. É de mil novecentos e sessenta e sete. Incrível. Fiquei maravilhada. Usei um extra de dezoito minutos para ler o livro todo dum total de cento e noventa e cinco páginas.

Mesmo com a má escolha do dia, o feedback é muito positivo. Se houvesse mais respeito, claro que correria melhor, mas o que se há-de fazer? Há quem ache normal. “Se eu não estou a trabalhar, ninguém está a trabalhar.”. Escrevo com orgulho que trabalhei nos dias vinte e quatro, vinte e cinco, trinta e um de Dezembro e no dia um de Janeiro e não morri. Vai da educação e é um ciclo vicioso.

Espero voltar a repetir este ano.

Beijinhos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *