Resenha

RESENHA DO LIVRO || QUERES CASAR COMIGO TODOS OS DIAS, BÁRBARA?

Olá Nossos Devanienses!

 

Escritor português, Pedro Chagas Freitas se torna fenômeno com ...

 

Li este livro desde o dia um de Abril ao dia oito do mesmo mês. Confesso que achei confuso, pois talvez devesse ter começado pelo Bárbara. Sei lá. Na parte que era o portagonista masculino a escrever, parecia Saramago. E Saramago dá muitas dores de cabeça nas suas leituras, pois não pontua da forma tradicional. Dai eu não gostar dos livros desse Escritor. Cansam a minha miopia. Não é o género que eu aprecio, pois sou muito tradicional nessas coisas, dai detestar o Novo Acordo. A pontuação tem a sua regra, tudo o resto é confuso. Exactamente como os vampiros, já foram inventados na literatura, não é preciso alterar nada. E se aqueles “vampiros” brilham ao sol é porque não tomam banho.

Depois veio a parte da Bárbara e a pontuação voltou ao normal. Abençoada. Eu sou muito chata nessas coisas, a sério. Tudo bem que Saramago ganhou mil e uma coisa com a sua ousadia e etc. Achei que “ousadia” era a melhor palavra para o caso, mas como gosto de referir sempre: Existe uma Gramática que dita as regras. Ela ajuda a respeitar a Língua Portuguesa, no caso. Estas mudanças de sítio por parte da pontuação, confunde a minha querida miopia. A sério.

Não quero que sejas tudo o que eu quero que sejas, até porque nem eu sou tudo aquilo que queria ser.

 

EAU MY GOLD: | QUERES CASAR COMIGO TODOS OS DIAS, BÁRBARA? |

 

Não, não detestei o livro por ter achado confuso. Detestei por ser lamechas. Estou a brincar. Não o detestei. Também não o adorei, verdade seja dita. É lamechas, sim. A parte que demorou mais a ler foi Queres casar comigo todos os dias? . A Bárbara li num dia. Num parte insinua uma coisa e na outra parte outra. Parece que ele está um pouco alucinado ou mesmo a sonhar (ou eu não entendi, pode acontecer).

Irritou-me que por vezes tenha escrito Bárbara com minúscula. Corrigi. A letra minúscula é usada para objecto. O Escritor pode ter encontrado toda a lógica para o fazer assim, mas o livro é meu e eu corrijo-o para não me atrapalhar. Juro que detesto nome com letra minúscula. Parece uma maneira subtil de afirmar que a pessoa é um objecto para ele. Não acho piada, nem necessário.

Achei muitas frases interessantes e passo a citar duas:

Tinha medo de te amar e quando é assim é porque já se ama.

É com abraços que se calculam as pessoas. 

 

EAU MY GOLD: | QUERES CASAR COMIGO TODOS OS DIAS, BÁRBARA? |

 

Sou sincera quando afirmo que não detestei. Mesmo achando confuso, como já referi, captei como estória ( Não acho que seja real só porque o protagonista se chama Pedro) fofa e lamechas. Não muito lamechas, pois isso faria com que detestasse, pois eu própria já sou muito lamechas. Lamechas quanto baste.

Tem umas boas tiradas. Umas frases acertadas, mas se eu conseguisse respeitar enquanto leio seria melhor. A pontuação usada de forma tradicional ajuda a respirar e também a compreender, no caso.

O Leitor gosta de compreender o livro, assim só por acaso. Dá jeito. É livro interessante. A brincadeira à moda de Saramago tem o seu toque, sem dúvida. Porém, poderia haver duas versões. A versão mais correcta e a de Saramago. É uma sugestão. Eu seria uma das pessoas que agradeceria. Dou valor ao trabalho que teve o Saramago na sua escrita, mas não é por isso que sou obrigada a apreciar. São coisas muito distintas.

Beijinhos

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *