Texto Pessoal

ISTO NÃO ACONTECEU || TEXTO PESSOAL

Olá Nossos Devanienses!

 

Lápis, Escrito, Escrever, Blog, Blogger, Gravador

 

Parece que nos reencontramos. Que inferno! Parece que ainda não morreu essa espécie maldita. Tinha de estar a tirar o mesmo curso?! Quase aposto que fez de propósito. Estamos no curso há quase três meses e ele só fala da nossa relação como se eu nem estivesse na sala. Como se nem me conhecesse. Como se ele fosse o santo. Como se a relação fosse ruim para ele.

Para mim, basta. Vou acabar com a mentira dele. Que falso. Fala da Mãe dele. Sorte que ela nunca soube o Filho que teve. Esse monstro. Até contou do episódio que o Pai o levou ao hospital. Coitadinho. Merecia muito mais.

Estivemos a fazer um teste sobre o nível de stress na aula. Ele, no final, disse que o final da nossa relação foi muito boa para ele. Soltei um “Cabrão nojento”. A Professora pediu que repetisse. Fiz questão.

-Ele, Professora. – apontei para aquele verme.  – Não passa dum cabrão nojento! Faz-se de santo. Eu não me lembro de nada de bom que a nossa relação me tenha dado. Sim, fui eu. E tu, seu escroto. – olho para ele. – Se não gostas, podes sair. Palmas para o teu show, mas ele acabou. E se continuas com esta palhaçada, acabo com o teu reinado aqui na turma em três tempos. Basta enviar tudo, mas mesmo tudo, para o email da turma. Tão simples. És um falso. Desiste, eu não vou cair. Olha para mim, seu bosta! Traz todas as artes de budoo e os gatos pretos. Faz com que eu parta cedo. Os gatos são tão amorosos. – riu-me levemente. – Disseste que eu te traia. Eu nunca trai ninguém, bebé. Mas tu… – faço um olhar de nojo. – Eu não sou fácil como as tuas Amiguinhas. Não me fazes de idiota. Dizias que me amavas… Tretas! Diz lá que me odeias! Igual a mim, ninguém mais faz. Perdeste! Eu estou na boca do Mundo e tu tens o Mundo na boca! Ambos sabemos que não precisas de fazer esse show de difícil, se quisesse, tu voltavas para mim, mas… – faço uma cara indiferente. – Sem a máscara nada vales. Bebé, tu não me voltas a tocar. Da próxima vez não vais ter o teu Papá. Eu mato-te e tu não vais saber o que me vai acontecer. Posso-me safar…

Voltei-me para a frente e passei o resto da aula como se nada fosse. Está avisado…

Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *