Texto Pessoal

A Carta que nunca te Dei || NM

Olá Devanienses!
Hoje a vossa Pequena Desarrumada, evoluiu para Nádia Matos, com amor ! 
Estou mesmo feliz, com o resultado do meu trabalho e, esta semana andei cheia de insónias pelo stress todo de gerir um blog, vida profissional e pessoal, mas como sempre dei a volta por cima, aproveitando para escrever um pouco. Hoje vou partilhar convosco um pouco da minha mente obscura, espero que gostem muahahah.

 

 

«Sempre tive a certeza de que a Primavera é a estação mais linda e apaixonante do ano… Mas ter-te conhecido, tornou esta Primavera ainda mais especial.
Já me estou a imaginar…
Eu, o céu claro, a brisa suave a bater nos nossos cabelos e tu… num relanço ao meu lado, trazendo um prazer em mim, imaginável.
Se na Primavera a Natureza desabrocha revelando os seus segredos mais íntimos, então eu acabo por receber o maior deles todos, perante a sua magnitude revelação… um amor verdadeiro, que me faz bem!

 

Relembro, repenso e penso… o teu toque  no meu corpo, os teus lábios a tocarem nos meus e os colírios nos meus olhos em ter-te ao meu lado, tornam esta Primavera, que não admite as nuvens carregadas no céu e os tons de cinza predominantes no meu coração, a abrolhar em mim o mais renascido do meu amor graças à tua companhia.
Sinto-me mais bonita e vejo-te mais bonito a cada dia que passa! O meu amor, faz-me relembrar as mais belas flores e tu o mel mais belo e  mais doce do que o próprio mel…
Ainda me lembro do primeiro dia em que nos conhecemos. Por acaso era Primavera e o dia estava febril pairando no ar, asas de amor por tudo o que era lado, porém algo errado aconteceu…

 

Passado meses a fio… meses a pavio… lá entrou o Outono e toda a beleza até agora construída foi-se num ápice… num estalar de dedos sem dar justificações a ninguém.
Lá se foi o nosso amor, fugiu como uma gazela para hibernar e eu perdi-me!
Relembro-me agora, sozinha e fria, todos os nossos momentos e com um último desejo…
VOLTA! Volta, minha querida Primavera!»

 

Texto Pessoal

Despeço-me da vida || PD

Olá Devanienses!
De novo, a vossa Pequena Desarrumada, está de volta e desta vez com um texto da sua autoria e espero que gostem!

   

Deparo-me a pensar no encerramento da minha vida, no dia em que morro e, independentemente da minha crença, anseio por esse dia… Estranhando este desejo de o meu sangue parar de correr, lentamente, nas minhas veias, tento recriar o anseio das pessoas ao receber tal noticia. Como será que reagiriam? Ririam-se, tomavam angústia ou morriam por dentro, como se eu fosse um pedaço delas?
Eu gostava de ver a reação de cada pessoa, ver como reagiriam e aí poder ver quem realmente me ama… quem realmente esteve lá para mim, nos bons e maus momentos. Mas, nesse momento, quando o meu corpo for preparado para tal ocasião, eu só terei um único desejo a fazer… Não chorem porque parti, mas agradeçam por ter feito parte da vossa vida. Por, simplesmente, termos sido felizes juntos em algum momento.
Infelizmente chegou a minha hora, a hora de partir da minha e da tua vida e, tirando crenças à parte, havemos de nos encontrar seja onde for.

    Apesar de não ser uma pessoa que demonstra muitos sentimentos, acredita, se te considerei como amigo ou família, é porque merecias esse cargo no meu coração e na minha vida. Antes de fechar os meus olhos, de vez, tenho umas últimas palavras para escrever.
A ti, minha Mãe, e meu pai, tenho uma única palavra… agradecimento! Agradeço-vos por terem acreditado em mim e no meu trabalho, por me terem apoiado, de me terem aberto os olhos quando eu não via. De me aconselharem e até de me esclarecerem sobre coisas, que para mim, era constrangedor, como sexo e sobre o meu corpo.
Quero agradecer-vos, também, por me terem dado uma ótima educação e por terem sido as pessoas que foram para mim, porque apesar de tudo acreditaram nos meus sonhos, por mais irrialista que fossem.
     Pai, meu caro pai, minha azeitona do mais puro azeite… acredita que a minha morte não foi em vão… que foi pela minha causa.
     Sei que não tivemos a melhor relação de todas (feitios difíceis dão choque) e há quem nos chama de ”cão e gato” e, por vezes até parecíamos mesmo, mas neste momento preciso que sejas forte por todos, por ti e em especial pela mãe, pois ambos sabemos como isto iria acabar. Não deixes que ela se parta como um espelho e que se destroce como o som da água a bater nas rochas, sê o suporte de algo que nunca foste.
     Estou a chegar aos meus últimos suspiros e só gostaria que as pessoas me tivessem compreendido mais e, que lá no fundo soubessem que a minha alma, de uma jovem aspirante, sempre carregou consigo dor, sufoco e angústia.
Pois lá no fundo sempre acabei comigo num espelho e sozinha…. aí acordava do sonho!

Texto Pessoal

ISTO NÃO ACONTECEU || TEXTO PESSOAL

Olá Nossos Devanienses!

 

Lápis, Escrito, Escrever, Blog, Blogger, Gravador

 

Parece que nos reencontramos. Que inferno! Parece que ainda não morreu essa espécie maldita. Tinha de estar a tirar o mesmo curso?! Quase aposto que fez de propósito. Estamos no curso há quase três meses e ele só fala da nossa relação como se eu nem estivesse na sala. Como se nem me conhecesse. Como se ele fosse o santo. Como se a relação fosse ruim para ele.

Para mim, basta. Vou acabar com a mentira dele. Que falso. Fala da Mãe dele. Sorte que ela nunca soube o Filho que teve. Esse monstro. Até contou do episódio que o Pai o levou ao hospital. Coitadinho. Merecia muito mais.

Estivemos a fazer um teste sobre o nível de stress na aula. Ele, no final, disse que o final da nossa relação foi muito boa para ele. Soltei um “Cabrão nojento”. A Professora pediu que repetisse. Fiz questão.

-Ele, Professora. – apontei para aquele verme.  – Não passa dum cabrão nojento! Faz-se de santo. Eu não me lembro de nada de bom que a nossa relação me tenha dado. Sim, fui eu. E tu, seu escroto. – olho para ele. – Se não gostas, podes sair. Palmas para o teu show, mas ele acabou. E se continuas com esta palhaçada, acabo com o teu reinado aqui na turma em três tempos. Basta enviar tudo, mas mesmo tudo, para o email da turma. Tão simples. És um falso. Desiste, eu não vou cair. Olha para mim, seu bosta! Traz todas as artes de budoo e os gatos pretos. Faz com que eu parta cedo. Os gatos são tão amorosos. – riu-me levemente. – Disseste que eu te traia. Eu nunca trai ninguém, bebé. Mas tu… – faço um olhar de nojo. – Eu não sou fácil como as tuas Amiguinhas. Não me fazes de idiota. Dizias que me amavas… Tretas! Diz lá que me odeias! Igual a mim, ninguém mais faz. Perdeste! Eu estou na boca do Mundo e tu tens o Mundo na boca! Ambos sabemos que não precisas de fazer esse show de difícil, se quisesse, tu voltavas para mim, mas… – faço uma cara indiferente. – Sem a máscara nada vales. Bebé, tu não me voltas a tocar. Da próxima vez não vais ter o teu Papá. Eu mato-te e tu não vais saber o que me vai acontecer. Posso-me safar…

Voltei-me para a frente e passei o resto da aula como se nada fosse. Está avisado…

Beijinhos

Texto Pessoal

PÁRA E SENTA || TEXTO PESSOAL

Olá Nossos Devanienses!

Tu tentas entender. Eu sei disso. Para quê? Pára e senta-te. Só agora? É a sério?! Queres saber por onde estou? Só agora?! És um idiota! Não, eu não me lembro!

Só agora é que queres saber se eu saiu e com quem vou? Esquece! Podes parar de ligar, não vou atender! Só agora?! Dá um tempo! Vai bugiar! Pára, eu não sou um momento! És um idiota! És um idiota! És um idiota! És um louco por perderes uma mulher como eu! Sim, baby, já passou, mas mesmo assim, eu não entendo. Sim, já passou. Quando olhas para mim, eu simplesmente sinto que não te esqueci. Porém, isso é uma ilusão. Eu segui em frente. Tu não deste valor. O teu corpo permanece aqui e nem sei o porquê! Nunca me deste a tua alma, mas querias a minha! Poupa-me! Não passas dum idiota!

Confesso que ainda penso em ti, mas tenho a certeza que não vale a pena. Tu não vales a pena. Esquece! Esquece! Esquece! Não foi hoje que chegamos ao fim por não valer a pena. O nosso fim está mais atrás do que o nosso ponto final! Sabes há quanto tempo eu não te sinto? Não, não lamentes! É falso!

Tu nem sabias se querias ficar. Então, vai! Não te vou notar e hoje, tu queres voltar! Nem morta!

Beijinhos

Texto Pessoal

FALA-ME DIREITO || TEXTO PESSOAL

Olá Nossos Devanienses!

 

Fala-me direito. Sim, já te disse para me falares direito. Nem tens de falar comigo, mas se o fizeres, fala-me direito. Fala-me direito. Fala-me direito. Fala-me direito. Estás-me a irritar! Estás-me a irritar! Estás-me a irritar! Desaparece! Não, não quero falar contigo. Estás a mexer com a minha ansiedade. Tu és louco. Cheiro os meus caracóis. Que cheiro maravilhoso. Acabados de lavar e pentear. Caracóis perfeitos. Quase que acho tão bom ter cortado. Está bonito. Olho para o smartphone e nenhuma notificação é tua. Atiro o telemóvel para cima da cama ao meu lado. És tão irritante.

Adorava arrotar na tua boca, mas tu irritas-me! Como assim o que sinto por ti? Não, não vou gravar tudo. Fala-me direito! O meu cabelo está com movimentos e é isso que importa. Curto e bonito. Não, não quero falar contigo. Tu não me falas direito. Tenho fome. Quero uma lasanha dum quilo. Uma pizza familiar com azeitonas. Pão recheado de atum. Que delícia. Muito simples. Tira-se a “tampa” dum pão. Tira-se o miolo. Mistura-se maionese, atum, pimenta e queijo vegan com esse miolo. Podes acrescentar cubos de cebola e ervas aromáticas. Coloca o recheio no pão. Podes por mais queijo por cima. Fecha. Leva o forno para tostar. Uma delicia.

Eu nunca disse que queria a tua conta da Netflix. Nunca. Escusas de te justificar. Detesto justificações. Tenho fome. Deixa-me comer. Não, não quero falar contigo. Fala-me direito! Fala-me direito! Fala-me direito! Vai e não voltes. Sim, é isso que eu quero. É isso que tu queres. É isso que nós queremos. Nunca vais sentir o cheiro maravilhoso do meu cabelo.

Beijinhos

Texto Pessoal

TEXTO PESSOAL || É MEIO ÓBVIO

Olá Nossos Devanienses!

Este texto encontra-se no meu livro “Dois Cinco”. Quem quiser ter acesso, deixe o email.

 

Ódio. Chão. Pum! Só fui a próxima? Até merecemos esta sociedade. A nossa sociedade. Não percebes? Anda e dá-me espaço. Viraste-me do avesso. Tenta de novo. Não, não tentes. Desiste, não consegues. O teu corpo é hot. Eu danço na rua. Eu sou tão avessa a isto. Esses contos são tão eróticos como um urso de pelúcia. Contas esses contos tão mal. És tão popular. És tão suficiente! Tu só queres estar aqui. Corpo! A tua alma morreu? Falhado! O que foi, já não estás a aguentar? Se eu tiver frio, cobres-me? Não penses que estás no pódio. És irritante. Não serves para mim. Sai. Fim.

Beijinhos

Texto Pessoal

TEXTO PESSOAL || VOLTAR PARA QUÊ?

Olá Nossos Devanienses!

Trago-vos mais um texto pessoal que se encontra no meu livro “Dois Cinco”. Quem quiser ter acesso é só pedir e deixar o email.

Talvez seja um mau retorno, mas tentei. Tentei terrivelmente. Dai não irei. Sangue e fogo. Más decisões, mas tudo bem. Bem-vindo à minha vida, idiota. Mestria deste espaço que me deixa em baixo. Erros. Tudo tem uma segunda opção. Tudo o resto se faz. Tudo vai ficar bem. Por favor, nunca vai ter fim como um laço super perfeito. Estou tão nervosa, nem sei o que falar. Vamos ser sinceros, tudo está errado.

Dá-se chance às vozes do meu coração. Elas fazem-me gostar de ti insistentemente. É tão complicado olhar para onde fizemos tudo, sentindo muito ódio como num estúpido jogo. Isto chega! Eu não quero sentir! Já dei muitas hipóteses aos demónios para me deixarem assim. Por favor, não te sintas assim como um laço super perfeito…

Por favor, vive o que sentes como se estivesses num mundo muito perfeito para mim! Se o mundo morresse, como te sentirias? Como soava esse sentimento? Acho que deveríamos beber um copo como bêbedos. Gelados como esta linha que tentamos, tentamos e tentamos, mas tu tentas arduamente e esta é a minha hora. Não olhes para as críticas que há em todo o lado. Eles não gostam das minhas calças, mas não mandes tudo pelo ar. Excedemos a nós próprios o tempo todo. O que vais fazer agora? O que vamos fazer agora? Sim… como um laço super perfeito…

Beijinhos

Texto Pessoal

TEXTO PESSOAL || CAMINHA NA NOITE

Olá Nossos Devanienses!

Trago para vocês mais um texto pessoal que se encontra no meu livro “Dois Cinco”.

 

Dá-me a tua tequila e o mel. Dá-me só uma vez. Peço-te pela última vez. Juro amar-te depois. Se eu quiser, claro. Não penso no agora, nem no depois. Sedução e cai tudo aos meus pés. Sei que te dou, sei que me vou. Se posso traduzir em inglês? Querido, prefiro em francês… italiano! Se queres, tenta! Tenta de novo! Oh, mon amour… se eu partir, ficas mal. Se as fotografias ficarem no tempo não podes… (ups) matar. Como apago a dor sem perder o controlo? Esta dor… Tantas vezes tentei dizer-te adeus…. Lembras-te? Só eu, não fui? Estou a envolver-me loucamente e não é amor. Agora perco-me na tua cor. E amanhã? Tequila e mel, claro. Dás-me o que quero, o que queremos? Perco-me em ti. Perdes-te em mim. Palavra. Voz. Que voz dos infernos! Deixa cair a Tequila na pele quente. Deixa. Deixa. Deixa. Vem. Vem. Vem. Tequila e mel. Perdoa-me se isto me deixa louca. És uma loucura, sabias? Uma loucura em mim. Sentes? Formam-se na minha cabeça a pouco e pouco. Um pouco mais.  Mas esta noite eu vou comemorar. Se suicida no desejo. A minha pele. A minha mão que pega nesta caneta e escreve isto. Sabes o que vai acontecer esta noite?

 

Beijinhos

Texto Pessoal

DETESTO ESSA MANIA || TEXTO PESSOAL

Olá Nossos Devanienses!

Hoje colocarei aqui um texto pessoal.

Um dia na vida de Carolina nunca foi algo que alguém pudesse querer. Um dia na vida de Santiago pode ser algo que alguém pudesse desejar. Carolina e Santiago. Melhores amigos. Que mal-educada que sou, nem me apresentei. Sou a Carolina Lima, gosto em conhecer-vos. Querem saber porquê que ninguém queria ter um dia na minha vida? Porque a minha vida é uma mentira. Quem sabe a verdade, não a quer, nem dada, mas claro quem não sabe, inveja-me, talvez. Resumidamente: Sou considerada gira, popular, inteligente e namoro com o rapaz mais popular e giro da escola.
         Tenho amigas só de escola, não são amigas verdadeiras e eu sei disso. Eu não amo o meu namorado e o meu namorado não me ama. Eu tenho conhecimento disso. Dizemos, eu te amo, mas não é sentido, é só porque soa bem.
         O Santiago, o meu Santiago é diferente. A vida dele é verdadeira e só com ele sou eu própria. Se ele não existisse, não teria amigos verdadeiros. Ele conhece tudo de mim, sabe que não sou o que mostro na escola, ele sabe que choro todas as noites por causa desta mentira a que chamo de vida, ele sabe…
         O Santiago vive a vida em pleno, um rapaz rebelde que sonha ser… sonha ser feliz à sua maneira, seguir artes e revolucionar esse mundo. Ele é do tipo de pessoa que, por aparências, os meus queridos pais querem que me afaste sem entenderem que ele é que me salva da vida de mentira sem pedir mais nada em troca e eu dou-lhe a minha amizade. Não me importo que a mãe dele seja Empregada de Limpeza e que o pai dele seja Porteiro e ele não se importa que os meus pais sejam Diplomatas. Porque a amizade é a única coisa valorizada para nós os dois. Cada gargalhada vale mais do que um simples estatuto.
         Carolina Lima não é mais do que uma boneca de aparências criada pelo meio. Eu sou uma Boneca de Aparências Criada pela Sociedade. Estou farta da minha vida e hoje vou pegar na pistola que o meu pai tem no escritório e dizer adeus…
Beijinhos